domingo, 28 de setembro de 2014

Atualizando...

Nosso bebezinho já é um bebezão!
O tempo passa e a gente nem percebe... Parece que foi ontem que vimos aquele rostinho fofo pela primeira vez, e ele já está agitando a milhões!!
Agora, o gordinho já consegue bater palminhas adoidado, bem forte, umas quantas em sequência, é só a gente cantar parabéns a você, que ele bate uma mãozinha fofa na outra bem direitinho.
Já manda beijos estalados e lindos... Faz carinho, procura se agarrar para se levantar (nem sempre consegue, ainda precisa de ajuda), faz caretinhas meigas e encantadoras, apertando os dentinhos lindos, dá tchauzinho... Adora uma bagunça, já dá mordidas de levantar a pele, inclusive andou mordendo a língua tão forte que chegou sangrar...

Mas nem tudo são flores... Depois de quase um mês gripadinho, o Bê não quer saber de comer. A gente dá feijão, papinha, mistura de tudo um pouco, e nada... É só enxergar o babeiro que já sai cuspindo tudo, fazendo carrinho com a língua pra fora. Confesso que isso me preocupa e frustra, já que sei que ele precisa comer para ficar forte e saudável e, além disso, ele andou emagrecendo... Ainda bem que o leite ele não refuga, fica todo faceiro quando vê a mamadeira. Safadinho... Espero que seja só uma fase, e que passe logo!

E sua meiguice continua encantado a todos. A cada dia que passa, é maior o amor, o carinho, a dedicação, o entusiasmo, o orgulho, a vontade de fazer mais e mais pelo nosso anjinho, que veio encher nossas vidas de mais VIDA!

Apreciando os movimentos na porta da casa dos nonos.

Bem sentado, dono de si!

Bora dar uma banda na moto do Tio Géio!

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Ser Gaúcho...


No Rio Grande do Sul, comemoramos a Semana Farroupilha em setembro, com o dia 20 sendo o dia em que a Revolução Farroupilha se deu início, em 1835, quando hoje comemoramos o final das festividades desta semana com um desfile de CTGs e PTGs. A revolução teve duração de quase 10 anos, e seu início foi, basicamente, devido às taxas abusivas impostas pelo governo sobre os produtos rio-grandenses.

Mas o maior legado dessa "peleia" foi o orgulho de ter nascido nesta terra...
Ser GAÚCHO é saber de suas origens, honrar a tradição, usar bombacha, bota, poncho, guaiaca; vestido com saia de armação, arranjo de flor no cabelo, chiripá; dançar chula, maçanico, vaneira, chamamé; comer cacetinho, guisado, bergamota, negrinho; ouvir o canto do quero-quero e da cigarra como se fosse música; assar um bom churrasco, uma linguiça; tomar chimarrão todo dia, tanto no inverno quanto no verão; aproveitar bem as quatro estações do ano, seja no verão - naquele calor de derreter - ou no inverno - em uma aragem de renguear cusco; falar bah, tchê, capaz, tri legal, mazaaaa, guri/guria, fora da casinha, baita, prenda, peão, bagual... É saber cantar o Hino Rio-grandense e se orgulhar de cada palavra...
Ser gaúcho é ser hospitaleiro; é apreciar o pôr do sol no Guaíba; torcer fanaticamente pelos nossos times, tocando flauta nos rivais... É montar no cavalo e camperear livremente; tocar gaita, trovar, declamar...
É possuir o melhor IDH do país (ONU), menor índice de analfabetismo (IBGE), população mais longeva da América Latina (OMS), as mulheres mais belas, os melhores vinhos, o melhor lugar para se viver...

E o nosso gauchinho não foge à regra - soube honrar a tradição e foi assistir ao desfile todo pilchado, com direito à boina, bombacha, lenço e alpargata.
E viva o Rio Grande!

Tapado de tradição!

De olho nos "pocotó"

Narizinho mais delicado!

Olhaaaaaaaaaa
O "causo" é o seguinte...

Lindo!
Cheirinho da nona


"Dandando"


Reverenciando as bandeiras


Momento descontração com vovó e papais

Não perde um...

Entregue!
É só alegria esse gauchinho amado!



sábado, 6 de setembro de 2014

Quando nasce um bebê... By Cris Guerra (maio/2014)

Dizem: quando nasce um bebê, nasce uma mãe também. E um polvo. Um restaurante delivery. Uma máquina de chocolate prontinho. Uma mecânica de carrinhos de controle remoto. Uma médica de bonecas. Uma professora-terapeuta-cozinheira de carreira medíocre. Nasce uma fábrica de cafuné, um chafariz de soro fisiológico, um robô que desperta ao som de choro. E principalmente: nasce a fada do beijo.
Quando nasce um bebê, nasce também o medo da morte – mães não se conformam em deixar o mundo sem encaminhar devidamente um filho.
Não pense você que ao se tornar mãe uma mulher abandona todas as mulheres que já foi um dia. Bobagem. Ganha mais mulheres em si mesma. Com seus desejos aumentam sua audácia, sua garra, seus poderes. Se já era impossível, cuidado: ela vira muitas. Também não me venha imaginar mães como seres delicados e frágeis. Mães são fogo, ninguém segura. Se antes eram incapazes de matar um mosquito, adquirem uma fúria inédita. Montam guarda ao lado de suas crias, capazes de matar tudo o que zumbir perto delas: pernilongos, lagartas, leões, gente.
Mães não têm tempo para o ensaio: estreiam a peça no susto. Aprendem a pilotar o avião em pleno voo. E dão o exemplo, mesmo que nunca tenham sido exemplo. Cobrem seus filhos com o cobertor que lhes falta. E, não raro, depois de fazerem o impossível, acreditam que poderiam ter feito melhor. Nunca estarão prontas para a tarefa gigantesca que é criar um filho – alguém está?
Mente quem diz que mãe sente menos dor – pelo contrário! Ela apenas aprende a deixar sua dor para outra hora. Atira o seu choro no chão para ir acalentar o do filho. Nas horas vagas, dorme. Abastece a casa. Trabalha. Encontra os amigos. Lê – ou adormece com um livro no rosto. E, quando tem tempo pra chorar – cadê? -, passou. A mãe então aproveita que a casa está calma e vai recolher os brinquedos da sala. “Como esse menino cresceu”, ela pensa, a caminho do quarto do filho. Termina o dia exausta, sentada no chão da sala, acompanhada de um sorriso besta.
Já os filhos, ah… Filhos fazem a mãe voltar os olhos para coisas que não importavam antes. O índice de umidade do ar. Os ingredientes do suco de caixinha. O nível de sódio do macarrão sem glúten. Onde fica a Guiné-Bissau. Os rumos da agricultura orgânica. As alternativas contra o aquecimento global. Política. E até sua própria saúde. Mães são mulheres ressuscitadas. Filhos as rejuvenescem, tornando a vida delas mais perigosa – e mais urgente.
Quando nasce um bebê, nasce uma empreiteira. Capaz de cavar a estrada quando não há caminho, só para poder indicar: “É por ali, filho, naquela direção”. 

Ser mãe é padecer no paraíso!

Meus filhos, amores da minha vida!

O Bebê mais feliz!

Que o Bernardo é um exemplo de bebê, vocês já devem estar cansados de ouvir/ler.
Agora vou falar um pouquinho da alegria de viver do nosso Bezinho.
Para ele, tudo está bem. Já acorda com aquele sorrisão lindo no rostinho mais dócil e fofo que conheço... Ri para um bom dia, ri para a mamadeira, para ganhar um colinho, para a mamãe, papai, maninha, nonos, tios, avós; pessoas conhecidas, desconhecidas... Enfim, está sempre com um riso pronto para encantar quem quer que seja.
Adora uma bagunça, se diverte com qualquer brinquedo, seja o mais elaborado ou um simples paninho de limpar a boca.
Agora aprendeu a dar uns gritos para chamar a atenção. E faz caretinhas para provocar o nono... É uma graça!
Adora puxar os cabelos da mamãe, da mana, da tia Carol... E puxa mesmo!
Metendo a mão na massa - ou melhor, na polenta! kkkk
Já sabe dar colo. Deitamos a cabeça sobre suas perninhas e ele fica encantado. Rende uns tapas, cuspe,  carinho, mordidas, dedo no olho, na boca... Parece que é muito mais interessante ficar em uma posição superior, mais elevada, intrigante. Uma paixão!
Já está batendo palminhas bem direitinho, e adora um "parabéns a você". Aprendeu a fazer o "bate cuca" - se mata rindo!
Para sair do banho, quando eu digo "segura o bebê", ele segura bem firme as perninhas e os pés até que eu o coloque sobre a toalha. Lindo!!!!!!
Fica faceiro da vida quando o seguramos para dar uns passinhos...
E essa alegria contagiante nos faz cada dia mais felizes. Sabemos que o Bê tem uma missão em nossas vidas, que este presente não veio por acaso. E acredito que esta felicidade faz parte do que ele veio nos trazer, tornando um dia mais lindo que  o outro...

Bebê dando colinho gostoso pra mamãe

Segue um vídeo do Gugu agitando na hora do papá!

video